• A TRISTE HERANÇA DE MICHEL FOUCAULT



    É muito salutar escrever aqui neste espaço de debates. Hoje surgiu em uma conversa com um grande amigo o tema: desequilíbrio emocional.

    Creio que esse tema deve ser muito recorrente em conversas informais, haja vista o elevado índice de pessoas em desequilíbrio que nos circundam. Até já escrevi sobre isso, mas de uma forma bem mais amena do que o texto de hoje, pois se tratava do Vazio nosso de cada dia.

    O foco do assunto hoje será o filósofo francês Michel Foucault. E porque esse filósofo? Porque sinceramente ele nos deixou uma triste herança. Conhecido como o “arqueólogo do saber”, Foucault sempre defendeu a tese que o homem é produto do meio, de que é produto das práticas discursivas.

    Essa tese infelizmente contribuiu para que a medicina fosse sabotada por muitos profissionais, pois os que trabalham na área psi(psiquiatra, psicólogo e psicanalista) não foram vistos com bons olhos e Foucault era psicólogo.

    Foucault foi um grande transgressor! MENTIRA!!! MIL VEZES MENTIRA!!! Discuto até o fim quem tentar me convencer que ele foi um grande transgressor. Vou citar quem eu considero um transgressor nessa área psi: Carl Jung! Ele sim foi deveras importante nessa área da psicanálise.

    Onde estou querendo chegar com tudo isso? Que Michel Foucault na verdade possuía uma grande amargura em relação ao sistema. Ele tentou o suicídio em 1948 e iniciou um tratamento psiquiátrico, foi aí que entrou em contato com o universo psi.

    Normalmente meu caro quem possui pensamentos vanguardistas como esse de que o home na verdade é produto do meio e manipulado pelo sistema também possui uma linha de raciocínio de alguém com transtorno mental sério, ou seja, era uma forma de suavizar o sofrimento que ele sentia e mais uma vez ter a presença do bode expiatório que é justamente o sistema. Deu pra entender? :D

    Foucault na realidade sentia-se reprimido por suas inquietudes dissonantes para a época. O que ele defendia era a idéia retrógrada, diga-se de passagem, de Freud. Para Freud a soma das partes forma o todo. Freud estava certo? NÃO!

    É sabido que o Todo é muito maior que a soma das partes. É a soma das partes + religião + características socioambientais e principalmente + misticismo. Não é preciso ser gênio para saber disso. Conclusão: Freud além de estar errado não era um gênio. Que péssima notícia para estudantes/adoradores de psicologia Freudiana hahahahahaha.

    Voltando ao assunto Foucalt... Para ele (Foucault) a loucura era um ato de resistência ao sistema opressor e o indivíduo deveria exercer a seu bel-prazer toda a forma de conquista moral e concreta em direção a um rumo idealizado por ele.

    Ora, mas Foucault ao falar em garantias individuais esqueceu-se de mencionar que quando devemos respeitar a individualidade alheia devemos antes de tudo querer o bem do próximo, portanto uma intervenção médica é crucial nesses casos.
    Defender a ideia de Foucault é defender a acintosa ideia que toda e qualquer forma de loucura deve ser rebatida com um olhar do tipo: deixa pra lá vem pra cá o que é que tem? Eu não estou fazendo nada nem você também faz mal bater um papo assim gostoso com alguém (delírio)...

    Acredito que Foucault desconsiderou a psicopatia , que é um transtorno gravíssimo de personalidade e que o sujeito pode fazer distorções na sociedade de forma calamitosa.

    A triste herança de Foucault é isso, uma forma pretensiosa de uma mágoa que ele nunca foi capaz de suprimir e sendo assim propagou seus ideais pseudotransgressores para não ser mais um Doutor da Sorbone, já que a intervenção médica é essencial.

    Se ele tivesse estudado os ensinamentos de Jung tudo poderia ter sido diferente.     
  • Você pode gostar também

    Um comentário:

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;