• TER OU NÃO TER RAZÃO?




    Olá! Sou Randerson Figueiredo, e possuo um blog de história chamado Pistas da História, agora criei este aqui dedicado à filosofia, aos aforismos cotidianos e a pensamentos de uma forma geral, seja bem-vindo a este novo blog filosófico, ele será um bate-papo informal que terei com você sempre que algo me incomodar, causar estranheza e questionamentos, afinal esse é o papel do filósofo, se inquietar diante da vida... Vamos ao nosso primeiro texto:

    Dia desses conversei com um grande amigo sobre o questionamento de ter ou não ter razão. Essa indagação surgiu, pois ele cursa direito e diz que sempre procura ter razão em tudo que fala, quer que seus argumentos sejam mais que coerentes, sejam verdadeiros quebra-cabeças perfeitos impossíveis de serem desfeitos.


    Ele disse que sente verdadeiro prazer quando o interlocutor perde a razão, ou quando não detém a verdade.
    Foi aí que questionei suas atitudes:
    - Quer dizer que estou diante de um sofista?
    E ele me indagou:
    - Não me considero um sofista, apenas quero ser o detentor da razão.
    Aí eu disse:
    - Você é um sofista sim. Os sofistas foram os primeiros advogados do mundo, eles utilizavam a prática da sofistica, que é justamente a prática da retórica. Eles utilizavam a prática do contra-argumento, ou seja, que todo argumento poderia ser refutado por outro argumento; sempre querendo o possuidor de tais argumentos ter razão.



    E ele perguntou:



    - E você não me dá razão?
    - Mas é claro... Que não! Um dos maiores males da humanidade é a busca desenfreada da razão, da verdade absoluta. A verdade absoluta é imaginária meu caro. Você não pode pura e simplesmente criar uma verdade, ou razão, pois ela é verdadeira apenas em sua imaginação, ou seja, é um delírio.
    Ele estufou os olhos e perguntou:
    - Você está me chamando de louco Randerson!?!
    Eu disse:
    - Ainda não hahahahaha
    - Randerson não estou gostando da nossa conversa.
    - Apenas quero que você raciocine comigo. Quando alguém falsifica dinheiro, essa pessoa pode ser presa não pode? 



    Ele balançou a cabeça positivamente.
    - Ótimo, então quer dizer que você me dá razão... Está melhorando hein hahaha. Já que você concorda acompanhe: se o indivíduo pode ser preso, falsificando dinheiro o mesmo pode acontecer com alguém que cria sua própria razão! Ela será presa também, pois ela é a única detentora da verdade suprema, algo inquestionável, inabalável... Ela vai parar não é na cadeia comum, mas no manicômio meu querido. É aí que entra o pensamento metafísico, uma praga que perdura até hoje. No pensamento metafísico nem todas as respostas serão verdadeiras, logo, se alguém anuncia uma teoria e um outro a nega, obviamente um desses está errado e nesse caso o pensamento metafísico é implacável, pois esse pensamento não quer destruir a teoria ou tese, mas o autor da tese, quer acabar com quem elaborou tal argumento, como exemplos posso citar:



    Sócrates: com o surgimento da maiêutica enfrentou os sofistas, pois essa técnica consiste num autêntico parto de ideias, pois, mediante o questionamento dos seus interlocutores acerca de determinado assunto, conduzindo-os a novas ideias acerca do tema em discussão, reconhecendo assim a sua ignorância e gerando novas ideias, mais próximas da verdade. Daí vem a máxima: Só sei que nada sei. Foi levado a cicuta.


    Ptolomeu: foi considerado o primeiro "cientista celeste". No entanto, Ptolomeu foi duramente criticado por alguns cientistas, como Tycho Brahe e Isaac Newton, sendo acusado de não ter realizado nenhuma observação astronómica, mas apenas plagiado dados de Hiparco, entre outras acusações.


    Galileu Galilei: a defesa do heliocentrismo e o processo do Santo Ofício, Galileu acabou condenado por desobediência e por proferir conteúdos contra a doutrina católica, por ignorância nestes temas, ao mesmo tempo que muitos clérigos apoiaram o geocentrismo e outros o heliocentrismo em disputas académicas.


    Grandes pensadores que foram vítimas do pensamento metafísico.


    Olha rapaz eu não preciso saber a verdade para perceber que o seu argumento é uma verdadeira mentira, se você discordar disso você também irá discordar da Teoria do Direito, do princípio da legitimidade no tocante que a legalidade torna-se pressuposto da legitimidade uma vez que é necessário que o réu esteja executando uma atividade conforme a lei.


    Um exemplo bem claro >>> o juiz não libera o sujeito só porque não vai com a cara dele, ele não diz: olha eu vou te prender a menos que você apresente o assassino. É assim que acontece? NÃO! CLARO QUE NÃO!

    Porque as delegacias, presídios estão lotados mesmo os que estão presos implorando por liberdade e afirmando em alto e bom som que são inocentes não são libertos?
    Eles estão afirmando não estão?

    Ou seja, se você discordar de tudo que apresentei até agora, o sistema vigente é uma tremenda palhaçada (e que na verdade é hahaha), pior, o seu curso de Direito é uma fraude e tudo que você aprendeu até agora não passa de argumentos falhos e mal estruturados.



    E aí, você me dá razão?

    Ele disse: 
    - Sim, toda razão!
    - Ótimo, pois eu não tiro o seu direito de ter razão meu caro.
    - Mas é claro, você não é louco de fazer isso.
    - Ah então quer dizer que você compreendeu? Hahahahaha
    - Vamos deixar de ironias.
    - O que estou querendo dizer com isso é que hoje, muitas pessoas querem ser donas da razão, donas da situação e isso é terrível. O que devemos fazer é achar que temos pouca razão e uma ótima condição de vida, pois o reconhecimento da própria ignorância nos faz perceber que, quem detém a verdade pode muito bem ser dominado por ela. 
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;