• O PROFESSOR É O COITADINHO?




    Engraçado que um dos assuntos mais falados atualmente diz respeito ao professor, ou melhor, a falta de respeito com a figura do professor.

    Isso é muito curioso porque evidencia-se uma prática de sabotagem na realização do trabalho desse profissional.

    Essa sabotagem quem provoca é o próprio professor quando se distancia da sua condição de facilitador e intérprete das questões que são discutidas em sala.

    Quando se fala em respeito, o que vem em minha mente automaticamente é o famosos clichê: se queres respeito, respeite o próximo.

    O primeiro a dar o exemplo deve ser o professor, pois ele sem sombra de dúvida é o baluarte do ensino, principalmente o de qualidade.

    Não é isso o que acontece. O profissional da educação hoje, uma certa parcela, não faz jus a sua formação de educador e propagador de ideais.

    Antes de cobrar respeito dos alunos, ele é quem deveria dar-se ao respeito. Hoje é muito praticado o assédio moral, a intimidação, a covardia de se estar em uma condição momentaneamente "superior" em nível acadêmico.

    Essa intimidação é que gera o conflito e a falta de respeito, pois uma titulação é mais que suficiente para exacerbar o egoísmo e a prepotência que é empregado no dia a dia.

    A questão é que o professor hoje não é vítima em grande parte dos alunos, mas vítima de si mesmo, de sua conduta amoral.

    E quanto maior sua titulação, menos eles se fazem entender com o emprego de muitos recursos de retórica, discursos floridos e cheios de conjecturas.

    Sempre considerei isso uma tremenda babaquice. Isso se chama humilhação, ostentação do vernáculo, o que só faz piorar a comunicação com o interlocutor.

    Não há necessidade disso, de que a elocução (a expressão do pensamento enunciada) seja dita de forma erudita demais, isso é prepotência, uma falsa sensação de superioridade.

    Cito tudo isso porque nas duas instituições pelas quais passei, UECE e IFCE, não só fui vítima de tudo isso como vi colegas passarem vergonha, o tal do assédio moral.

    Então não adianta se vitimizar ou jogar a culpa em aluno, não tem essa história de bode expiatório.

    O papel que o professor vem traçando é que deve ser revisto e atualizado diante dos ditames feitos por eles mesmos.

    O professor não é o coitadinho, pelo contrário, ele que não se dá ao respeito.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;