• FILOSOFIA, PRA QUE TE QUERO?




    A arte do bem pensar e do bem falar. É assim que eu defino a filosofia. Mas hoje, pra que serve a filosofia?

    Em uma sociedade cada vez mais acelerada e prontamente convicta de conceitos efêmeros, a filosofia opõe-se cada vez mais a este estilo que ganha cada vez mais adeptos.

    A arte do bem pensar e do bem falar não é para qualquer um que acredita que somente lendo O Mundo de Sofia seja capaz de sair por aí dizendo barbaridades a respeito de determinados assuntos.

    Muitos sustentam que a filosofia hoje não serve para nada. E realmente não serve! Para aqueles que não são capazes de  entendê-la e que não merecem estudá-la.

    Quando começamos a entender o posicionamento de alguns filósofos em muitas áreas do saber humano percebemos o quanto a inteligência é ilimitada e que sabiamente não se aplica a todos.

    Como bem disse Victor Hugo: Chega sempre a hora em que não basta apenas protestar: após a filosofia, a ação é indispensável.

    Sim, porque com a filosofia extrai-se todo o âmago do saber, sem arquétipos, sem máscaras. É isso o que mais me atrai na filosofia, refletir até a última gota para descobrir a essência do poder da sabedoria.

    Costumo afirmar que a filosofia é como um velho amigo de infância, daqueles que ficam no seu pé e não largam mais e dizem tudo o que querem na sua cara, sem dó nem piedade, sim porque a filosofia é como um grande amigo que esbraveja e toca o dedo na ferida.

    Não estamos aqui falando de elogios, não, não, não... Até mesmo porque o saber filosófico não se compadece de ninguém, a crítica, a vaia massageia o ego de quem está ali pronto para ser abatido com olhares austeros, para ser fuzilado com impropérios e ser esmagado com outra tese que surge num piscar de olhos.

    A meu ver é esse o prazer da filosofia. E alguns teimam em afirmar que a filosofia afasta da religião. Mentira! Pelo contrário, como disse Francis Bacon: Um pouco de filosofia leva a mente humana ao ateísmo, mas a profundidade da filosofia leva-a para a religião.

    O prazer da filosofia não está em se ganhar dinheiro, mas em trazer à tona um equilíbrio intelectual e físico capaz de transformar a sociedade em que nos encontramos.


    É essa transformação que nos move e que nos orienta a continuar escrevendo e melhorando convicções e interesses para um bem comum. Não, não quero ser bonzinho, isso não combina comigo, desejo apenas seguir em frente na busca por um ideal, uma filosofia de vida que me fortaleça.    
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;