• O JULGAMENTO DOS VENCEDORES



    “Não julgueis, para que não sejais julgados.
    Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.
    E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
    Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?
    Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.
    Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.
    Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á”.

    Mateus 7:1-7

    Mais objetivo que o Evangelho impossível não é? E como sempre comento aqui neste blog que se trata de psicologia, mais precisamente de psicologia analítica, Carl Jung nos apresenta de forma bastante concreta a mensagem do Evangelho da seguinte forma: “aquilo que te irrita nos outros pode nos levar a um melhor conhecimento de nós mesmos”.

    Mas como assim? Funcionamos como verdadeiros espelhos uns dos outros, só que muitas vezes este espelho pode estar sujo, embaçado, ou até mesmo um pouco quebrado.

    Por isso quando Jung faz esta citação ele sabiamente quis dizer que aquela trave que observamos no olho do outro na verdade deixamos de observar a trave gigantesca que está em nós.

    Que por mais que queiramos consertar as inquietudes alheias isso não nos torna melhor, pelo contrário, só faz crescer os limites desconcertantes em nossas vidas.

    Temos que agir como os vencedores, o julgamento dos vencedores é fantástico, pois eles fazem o mínimo de julgamentos ou até mesmo não fazem julgamento algum.

    Assertivas presunçosas só salientam o quanto somos inseguros em relação a nós mesmos, o quanto perdemos tempo fazendo tempestade em como d’água.

    Agora me lembrei de um provérbio judaico que diz assim: “aquele que não sabe dominar a si mesmo, torna-se ridículo quando quer dominar os outros”. E é a mais pura verdade, sejamos sinceros.

    Eliminar por completo qualquer tipo de ato inescrupuloso deve fazer parte de nossa alçada, só que aí falamos: como é difícil! Só este ato de rebeldia revela o quanto temos que evoluir espiritualmente.

    Cabe a cada um não só fazer a sua parte, mas também ajudar ao outro fazer a sua, já que o grau de crescimento cognitivo varia e muito de pessoa pra pessoa.

    O julgamento dos vencedores é esse, julgar que pode controlar somente a si e não os outros sob nenhuma hipótese, isso faz com que todos possam agir em completude e entendam de uma vez por todas que somos individualidades, e que essa individualidade deve ser respeitada.


    Até a próxima.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;