• SOBRE A VIDA NÃO VIVIDA



    Um dos grandes questionamentos que sempre tenho feito aqui neste blog diz respeito ao fato de não vivenciarmos plenamente a vida.

    Uma vida não vivida. Uma vida centrada mais no acúmulo de objetos do que de situações e efemérides prazerosas. E isso é uma característica extremamente comum.

    Não costumamos aproveitar a vida na sua essência, na sua versatilidade e na sua totalidade. Temos na maioria das vezes uma vida amorfa, sem graça e sem dinamicidade.

    Uma vida pautada em futilidade requer uma dose de heroísmo hercúleo para que a sua vida não caia no ostracismo de um cotidiano cheio de infindáveis dramas já conhecidos.

    O mundo se acabando, tufões, terremotos, e agora o mais recente terrorismo na França e você se preocupando com pau de selfie? Para saber quem saiu melhor na foto. Francamente não é?

    Acredito que está na hora de rever nossos conceitos. De “desproblematizar” o que não é problematizável e de encarar as dúvidas, os questionamentos pautados em dados confiáveis que deem um pouco de ânimo aquela ou outra situação.

    É isso que necessitamos colocar em prática na vida: ânimo. O mais nobre dos sentimentos: amor e uma pitada de: atitude. Sei que se fosse fácil assim já estaríamos habitando outras esferas. Outras galáxias.

    E por falar em habitar outras esferas, no campo moral somos altamente tenebrosos, mas no campo científico avançamos horrores. E o que isso quer dizer?

    Quer dizer que apesar de sermos avançados cientificamente, no campo das relações interpessoais não passamos de bebês prematuros.

    Acredito que ainda não começamos nem a engatinhar, estamos no abecedário redivivo dos laços fraternos, ou seja, numa comparação a lá Darwin: estamos na era das cavernas no campo emocional.

    Por isso que quando fazemos pipizinho fora do nosso piniquinho, temos que dar satisfações de bate pronto a quem cometemos a indelicadeza de magoar. Caso contrário seremos taxados de pré-históricos. E com toda razão já que é a era(emocional) que nos encontramos.

    Por isso que a vida não vivida é reflexo dos nossos atos, das nossas insanidades, dos nossos conceitos e preconceitos mais obscuros.

    Essa vida que não vivenciamos não é um erro, é a prova cabal que ainda temos muito que melhorar para atingirmos a nossa plenitude. É uma questão de mudança, de melhora.

    Agir com consciência e ter a convicção de que somos passíveis a erros e principalmente a acertos é o que confere um grau maior de liberdade a todos nós.

    Temos que ter audácia e discernimento. Mais do que tudo, ter vontade de mudar.


    Não viver a vida é sempre tecer uma teia no qual o lanche mais cedo ou mais tarde da aranha chamada esquecimento um dia poderá ser você. 
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;