• SOMOS OU NÃO SOMOS DESCARTÁVEIS?



    Somos ou não somos descartáveis? Num mundo onde a era tecnológica tomou conta da situação, os relacionamentos parecem que adotaram a moda do descartável.

    As relações estão fluidas e cada vez mais dissipadas num espaço ocupado por mentes ávidas por inovações e informações novas a cada momento.

    E as relações naufragam como um belo navio a soçobrar numa imensidão nas profundezas do mar sem fim...

    É, esse é o alto preço que se paga por se promover como o mais popular, o mais garanhão, o mais feliz... E a mais vil das criaturas.

    Tornamo-nos pessoas descartáveis. Pouco a pouco mas estamos nos tornando. Salvo raras exceções, claro.

    A partir do momento que você diz: vou te excluir do meu “faiceee” (com essa entonação mesmo). Você acredita que está excluindo da sua vida, ou seja, o real e virtual hoje andam de mãos dadas.

    Já escutou aquele ditado que diz assim: quem dorme com cadelas acorda com pulgas. Isso serve para nossos pseudo-amigos que extravasam toda sua felicidade nas redes sociais, com fotos, vídeos, fanpages... "Contagiando-nos sem cessar".

    Felicidade essa que é questionável, sejamos sinceros, haja vista que a maioria das pessoas que conheço transborda sucesso, alegria, entusiasmo e uma série de coisas boas na internet. E as ruins onde estão? Já sei, escondidas num baú onde nenhum de nós possui a chave.

    Sem contar que nos sentimos como verdadeiros juízes, pois qualquer coisa postada pode e deve ser contestada num estalar de dedos. Os críticos de plantão sobre as postagens alheias sabem bem do que estou falando, não é mesmo? Inclusive sobre esta aqui...

    Como tenho um blog a zelar, prefiro me abster de comentários maldosos (se é que já não os fiz) referentes a vários outros assuntos que são de interesse geral da nação.

    Como sempre costumo falar: escrevo sobre o que sei, sobre o que não sei e o que acredito saber... Então essa é a grande questão: saber até que ponto vai nosso cinismo em tecer situações que não são nada agradáveis conosco e com a vida alheia.


    Fazer teceduras de como somos vanguardistas ou retrógrados a ponto de estabelecer o que é real e o que é virtual essa é a nossa aposta para um futuro próximo, não somente deletar de sua conta virtual um mal real, mas manter na vida real o possível descartável.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;