• E QUANDO A VÍTIMA NÃO É NINGUÉM?



    Vitimização. Palavra a meu ver extremamente desagradável e que provoca muitos transtornos de ordem moral, ética e psicológica.

    É certo que olhando bem de perto, ninguém, eu disse ninguém, é flor que se cheire, mas vá lá temos as nossas qualidades e nelas temos que nos firmar para dar alguns passos adiante.

    Fazer-se de coitado não é a melhor solução, pelo contrário, só trará dor de cabeça e náuseas a quem quer que seja, pelos danos enfrentados e causados.

    A questão sendo logo bem direto é a seguinte: não há vítimas!

    Isso mesmo, se passamos pelo que passamos é porque de alguma maneira temos o merecimento de ordem divina para um aprimoramento carnal.

    É aquela velha frase: colherás o que plantar. E isso é um dos ensinamentos mais severos e duradouros que perpassa toda a raça humana.

    Agora temos que impor limites nas pessoas, pois, caso contrário elas montarão e ceifarão suas credenciais de ser pensante e colocarão muitas caraminholas em sua cabeça.

    Aquela velha história do coitadinho, do pobre de mim, do ninguém me ama e ninguém me quer - ninguém me chama de meu amor.

    Isso tudo é uma grande lorota e que infelizmente ganha cada vez mais adeptos de pessoas que insistem em torrar nossa paciência e que desejam nos levar para o abismo da tristeza sem fim.

    São pessoas que tem uma visão distorcida da realidade, acreditam que há um fator externo sempre responsável pela sua desgraça, pelos dissabores da vida...

    Carregam um sentimento de culpa gigantesco e levam consigo até as profundezas do mar sem fim um sentimento de derrota capaz de sugar quem quer que esteja ao seu redor.

    Ao invés da culpa vale ressaltar que devemos ter a maturidade de assumir a própria responsabilidade de levar nossos erros e acertos da melhor maneira possível. Afinal somos humanos!

    É de extrema relevância/perspicácia/brandura saber até que ponto podemos avançar na direção de um patamar abundante e que nos traga qualidade de vida.

    Vou até falar de uma forma bem grosseira agora, mas todos apontam o erro do outro, mas ninguém olha o próprio rabo meus amigos... A velha história da trave e do argueiro no olho do irmão que está no Evangelho.

    Se participamos de situações vexatórias no passado, esqueça, jogue o manto! Se você não compactua mais com isso porque se torturar eternamente?

    Há pessoas que te julgam o tempo inteiro, mas acredito que ninguém joga pedras em árvores que não dão frutos. Essa é uma grande máxima que levarei para o resto de minha vida.

    Não podemos nos apegar ao passado e nos tornar vítimas de nós mesmos ou dos outros. Costumo dizer que o passado é acusador, o presente uma dádiva e o futuro um mistério.


    Resta-nos saber distinguir o que nos torna mais mansos e humildes de coração, aceitando que a mácula que fere os outros um dia pode ser a mácula que ferirá a nós mesmos sem dó nem piedade, e de vítimas passaremos a ser responsáveis pelo nosso próprio destino.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;