• CHEGADAS E PARTIDAS...




    Hoje é lembrado o dia de finados, um dia para recordarmos com mais amor dos nossos entes queridos que já cumpriram sua passagem aqui neste planeta.

    Que Deus nesse momento possa nos confortar e que possamos lembrar dessas pessoas queridas com saudade, sim, tristeza de forma alguma, afinal de contas a vida é um grande ritual de passagem para outro patamar.

    E quando atravessamos o horizonte da esperança, acredito que poderemos recomeçar a labuta. Acredito que a espiritualidade não nos deixará na mão em hipótese alguma.

    Somos seres em transição. Seres em expiação. Seres em constante evolução. Seria de uma crueldade imensa acreditar que tudo terminaria agora, nesse momento, nessas circunstâncias.

    Não, acredito que não é por aí que tudo se agiganta. O nosso aprimoramento interpessoal nos mostra o quanto temos que avaliar cada movimento, cada passo empreendido em ser uma pessoa melhor.

    É essa a minha perspectiva, sinceramente é para isso que vivo, tentar a todo custo transgredir meus anseios mais vis a procura de progredir como ser pensante - como ser humano.

    É bom relembrar os velhos tempos, frases, ações, até mesmo a fragrância daquele perfume que determinada pessoa usava para sair, ou mesmo ficar em casa. Tudo isso é saudável.

    Particularmente não frequento cemitérios neste dia, prefiro lembrar a minha maneira das pessoas que amei, assim como estou lembrando agora escrevendo este texto. Mas também não critico quem frequenta, óbvio. Cada um faz a sua maneira.

    Duas coisas que Deus nos proporcionou que são espetaculares: a vida e a morte. A primeira porque podemos usufruir de tudo, e a segunda porque o fim provisório chega em determinado momento.
    Não aguentaríamos se fôssemos eternos, não aguentaríamos mesmo (falando na forma carnal, claro). Essa é a maravilha da nossa jornada, ter uma pausa, ter reticências...

    Agora me veio a mente aquela música do Vinícius de Moraes(que você poderá ouvir neste post): "tem dias que fico pensando na vida e sinceramente não vejo saída, como é por exemplo tentar entender, a gente mal nasce começa a morrer... Depois da chegada vem sempre a partida porque não há nada sem separação... Sei lá, sei lá, a vida é uma grande ilusão, sei lá, sei lá, eu só sei que ela está com a razão".

    Essa música responde bem ao texto, de forma bastante significativa. A música do Vinícius de Moares é estupenda, reproduz nossas agonias e anseios em tentar entender a vida.

    Mais do que entender devemos vivê-la da melhor forma possível sem nos sabotarmos e sabotar os outros. Não estamos aqui para atrapalhar a vida de ninguém. Essa é a questão. E principalmente sermos humanos, com falhas e acertos / com decepções e alegrias.

    Só assim quando um dia partirmos, poderemos acolher em outro plano astral os sentimentos dos que aqui ficaram e aproveitar em algum momento com entusiasmo a última dança, o último adeus o último afago num mundo de chegadas e partidas.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;