• POBRE NÃO GOSTA DE POBRE... E RICO TAMBÉM NÃO! (POSTAGEM ESPECIAL SOBRE A CRISE NO PAÍS)



    Não, quem está escrevendo esta postagem não é o Caco Antibes (Miguel Falabella), bem, piadinhas à parte vamos diretamente ao que interessa: crise no Brasil.

    A verdade é que estava dando uma arrumada aqui nos meus livros e encontrei um livro em particular que gosto muito, chama-se: 1964 – A conquista do Estado de Renè Armand Dreyfuss. O livro foi sua tese de doutorado.

    Lendo este livro percebo que a situação difícil pela qual atravessa o país configura-se num retrato fiel do que aconteceu nos anos de 1964, ou seja, golpe de classe e conchavos políticos.

    A grande vênus platinada (Rede Globo de Televisão) usa de todas as suas armas, e olha que não são poucas, para tentar chamar sua atenção e desviar o foco.

    Digo que se trata de um golpe de classe, pois os ricos não suportam mais ver tanto pobre usufruindo dos seus locais preferidos, do salão de beleza ao shopping center.

    É notório o que o governo Lula fez pela classe menos favorecida, ascenderam financeiramente, mas socialmente deixou a desejar, ficou provado que nem sempre é possível jogar nas onze...

    Já expliquei isso na postagem sobre a nova classe média, então vamos pular essa parte. Não sou a favor do socialismo, mas acredito que o governo Lula trabalhou e muito para todos. Tenho que reconhecer.

    Pobre não gosta de pobre, isso é um fato, e rico também não. Estou querendo chegar num ponto que é crucial: a luta de classes. Algo que se estende até os dias atuais.

    Desde quando o negro (pobre em geral) saiu da senzala e foi à casa grande causou um estardalhaço tremendo. O rico se sentiu ameaçado.

    Os chamados tucanalhas e petralhas, nome genérico dado a psdebistas e petistas representam bem essa dicotomia reacionária contra tudo e todos.

    E a mídia ao invés de esclarecer faz é deturpar de forma pretensiosa e acintosa os dados a ela fornecidos, desculpem-me o vernáculo, mas é uma baixaria sem precedentes.

    O PSDB passou anos no poder e o que fizeram? Quase venderam por completo este país nas mãos das empresas internacionais, acirrando ainda mais a instabilidade financeira e política.

    A pasta rosa do FHC ainda hoje permanece um assunto intocável. Curioso não? Esse assunto quem tem mais idade vai saber do que estou falando.

    As universidades públicas praticamente sucateadas e depois alguém vem defender o FHC, que é o único professor aposentado que possui apartamentos no exterior. Pelo menos que eu conheça.

    Caro leitor, esta postagem não é para incentivar isso ou aquilo, mas para alertar sobre as constantes ameaças a integridade do nosso país como um todo. Vamos lutar por ele (Brasil), já!

    Golpe não! Vamos dar um basta nisso, acessando sites sérios, comprometidos com a verdade e idôneos (se é que existe), mas pelo menos vamos tentar procurar.

    Não é possível que uma emissora seja tão poderosa a ponto de manipular sua cabeça, vamos estar mais alertas a tudo, necessitamos de informação de qualidade.

    Resumindo: acredito que isso é sim um golpe de classe. O rico nunca admitiu sentar lado a lado com um pobre na universidade, fazer academia ao lado da sua diarista e comprar morangos no supermercado junto com outra pessoa menos favorecida para comer com creme de leite.

    É, meus caros, sempre soubemos do despeito do pobre com pobre, agora do rico com pobre isso está cada vez mais evidente neste país.

    Digo mais uma vez: o socialismo não é a melhor solução (leia mais). Mas que ficou evidente que houve uma melhora a isso ficou. E temos que reconhecer quando perdemos o jogo, ideologicamente falando.

    Mais do que isso, devemos estar a par da situação como um todo, e não em uma parte apenas, olha aquela história de um só lado da moeda...

    Para encerrar, o que me parece, é que há uma torcida para que tudo dê errado, uma tristeza, pois estamos todos num mesmo barco, remando sem cessar à procura de um lugar ao sol, ou melhor, à sombra e água fresca...
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;