• A DIFÍCIL ARTE DE SER VOCÊ MESMO



    Ser você mesmo requer habilidades inimagináveis para se alcançar o sucesso. Leia-se sucesso não um amontoado de utensílios tramontina e um porsche na garagem. Não, não é isso.

    O sucesso no qual falo reflete sobre a arte de ser você mesmo.

    Sim, porque até já falei sobre esse assunto de uma forma mais pejorativa com a postagem "A morte do pássaro idiota", que está no blog Jung na Veia.

    Hoje escrevo que é um tanto complicado ser quem você é de verdade, a sua essência, o seu verdadeiro "eu".

    Tudo isso porque a grande maioria das pessoas não suporta ouvir e presenciar a verdade. Procuramos a todo momento agradar as pessoas que estão ao nosso redor (ler a "Era do eu falso" - também no blog) e isso nos frustra.

    Na frente do outro, do desconhecido é um doce, mas com os familiares ou alguém mais próximo é... como se diz mesmo? Um cavalo. Batizado ou não.

    O desejável é que você se apresente do jeito que você é. Também não para sair dando coices por aí. A sua essência deverá prevalecer, em algum dado momento, a chamada sombra coletiva como alertou Jung.

    É justamente essa sombra que falará mais alto.

    Esse lado negativo/underground dará as caras, justamente para mostrar quem é que manda no pedaço. Aí você diz: "olha você pode até mandar aqui, mas sou obediente e você pode aliviar comigo não pode?"

    A sombra vai te responder: "claro amigo, mas contanto que você colabore e não me esconda de ninguém, nem de você mesmo, afinal somos amigos ou não somos? Porque tens vergonha de mim?"
    Pode ficar certo, você que lê esta postagem, a maioria das pessoas mais educadas escondem as maiores sombras. Porque justamente tem medo que seu lado sombrio venha à tona e estrague todo seu teatro.

    Encenamos a todo momento, isso é uma constatação, não um simples achismo. E essa sociedade do espetáculo vai ganhando forma dia após dia.

    Quando você imagina atropelando alguém que você não gosta, ateando fogo, jogando essa pessoa na parede até fazê-la sangrar... Quanto imaginação não é? Mais uma vez a sombra se manifestando.

    E de repente, não mais que de repente, nos vemos num emaranhado de fios descascados que a qualquer momento pode dar um curto circuito.

    "Mas eu sou uma pessoa tão boa..."

    Para com isso que tá ficando feio colega, para com essa encenação barata.

    "Não sei porque tantas coisas acontecem de ruim comigo?"

    No fundo no fundo sabemos, que tudo faz parte desse joguinho de teatro, para tentar encantar alguém que não vale a pena ser encantado, bajulado, ou até mesmo dar alguma explicação, porque somos todos farinha do mesmo saco.

    As que dizem que são mais humildes escondem, a meu ver, uma das maiores sombras. A sombra da falsa modéstia, pois se passam de coitadinhas para conseguirem o que desejam, e atacam sem nem pestanejar.

    E a sua essência vai ficando pra trás, sem dar a menor explicação ela vai aos poucos indo embora, e vamos nos robotizando pouco a pouco sem enxergar o que nos espera mais adiante.


    Ser quem somos requer mais que coragem. Requer altruísmo dos mais grandiosos, pois sendo verdadeiros conosco e com os outros seremos donos da própria verdade e não da verdade alheia.

    ***Referências***


  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;