• NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM



    O texto de hoje será bem reflexivo. Será sobre depressão e angústias dos mais variados tipos que assolam nossas vidas de forma quase sempre inesperada.

    Quem de nós nunca sentiu uma grande tristeza capaz de te levar a nocaute logo no primeiro round?

    É como se a tristeza entrasse em nosso ser de forma mordaz nas profundezas de um mar sem fim.

    Ela chega sorrateiramente sem pedir licença e vai se instalando pouco a pouco e logo vai ganhando espaço e pronto... Quando menos se espera ela toma conta do seu ser.

    Vejo a depressão desta forma:

    “Como uma grande embarcação singrando um mar de melancolia prestes a soçobrar e sem coletes salva-vidas para nos salvar.”

    A depressão está intimamente ligada a uma série de fatores, dentre eles de ordem orgânica e estressores ambientais que podem desencadeá-la.

    Já que estamos falando de embarcação, a depressão funciona como uma âncora amarrada ao pescoço que te leva às profundezas de um mar de tristeza sem fim.

    Mas é através dessa tristeza que podemos dar a volta por cima.

    Assim como funciona como uma âncora pode funcionar como uma alavanca.
    Remédios muitas vezes são necessários, psicoterapia e orações, mas nunca deixe morrer sua dignidade, afinal de contas o que nos espera senão enfrentar a realidade?

    Acredito que nos tornamos depressivos principalmente com essa dura realidade que nos circunda. Claro que existem outros tantos motivos...

    A sociedade é dura, cruel e muitas vezes perversa.

    Mas como já citei Sartre com O inferno são os outros, o paraíso também são os outros a partir do momento que mudamos a estação, o seletor da frequência na qual nos encontramos.

    Se estamos numa baixa frequência, resta-nos mudar a estação e ao invés de escutar uma MPB melancólica poderemos e devemos ouvir um samba por exemplo. Claro que esse foi apenas um exemplo banal.

    Não há culpados nem vítimas. Apenas situações.

    Apontar culpados não é a melhor saída.


    Essa é a grande sacada da vida, saber que o que eu desejo para o outro também desejo pra mim, numa longa batalha de idas e vindas, num longo caminho interior nas profundezas do mar sem fim.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;