• O RETRATO DE DORIAN GRAY



    Dorian, um jovem ingênuo e muito atraente, após herdar a fortuna do pai passa a frequentar a alta sociedade londrina onde conhece e se torna amigo de Lord Henry Wotton, um sujeito cínico que atrai o jovem para sua visão de mundo, onde as únicas coisas que importam são a beleza e os prazeres.

    Um artista, Basil Hallwald, resolve pintar o retrato de Dorian e ao ver seu rosto imortalizado na pintura, ouvindo as palavras de Henry Wotton que o encoraja a viver todos os prazeres da vida aproveitando sua juventude e beleza, Dorian decide seguir os conselhos do amigo e resolve que para parecer eternamente jovem como no retrato, entregaria até mesmo a alma ao diabo.

    Resumindo essa é a história de Dorian Gray trocado em miúdos. De forma simplória.

    Ratifico um pensamento de Oscar Wilde no qual ele diz que somos comedidos com conceitos morais devido a questões religiosas e porque somos meros mortais, se fôssemos imortais, agiríamos como Dorian Gray. Mais adiante explicarei o porquê.

    E o medo do castigo é o que nos torna de certa forma puritanos.

    Muitos dizem que Dorian Gray era o alter ego de Oscar Wilde, e acredito nisso piamente, e digo mais, Wilde apesar de sua fama nada confiável tecia comentários ardilosos ao período no qual estava vivenciando, a era vitoriana.

    O ponto principal de Dorian Gray é a questão da vaidade. Preciso nem falar que o livro foi um escândalo para a época.

    E como continua atual.

    Como somos levados pela vaidade, pelo ego. Esse é o nosso principal ponto fraco. Mexeu na vaidade, mexeu no geral.

    O Retrato de Dorian Gray pode ser entendido como uma metáfora sobre a velha natureza da vaidade humana, que tanto quanto nos move, pode nos cegar e nos colocar em uma delicada fronteira entre a felicidade e a desgraça.

    Quanto mais o tempo passa, mais o quadro de Dorian Gray se torna envelhecido e com aspecto podre. E por falar em podre, em um dos diálogos da obra, ele, Dorian fala com um padre...

    E o padre diz que só Deus pode ver a alma humana, ele então diz que consegue ver a sua e que ela está podre.

    Seu retrato tornou-se monstruoso e fazendo referência à psicologia, mostra como nos tornamos com o passar dos anos quando caímos em desatino, desgraça e infelicidade.

    Esse livro definitivamente é uma aula de psicologia, de vivência humana mesmo, de enfrentamento com o olhar do outro, dos sentimentos alheios e de si mesmo.

    Oscar Wilde foi brilhante ao tecer nessa obra conceitos aparentemente tão simples, mas que ensejam situações mais complexas como: inveja, escrúpulos e (i)mortalidade. Hedonismo e hipocrisia principalmente.


    Resumindo: Oscar Wilde nos dá uma verdadeira aula sobre imortalidade, felicidade e conceitos morais. Uma obra que deve constar na estante de qualquer pessoa que queira se conhecer mais e não cair em armadilhas e conceitos efêmeros.
  • Você pode gostar também

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
    - não relacionados ao tema do post;
    - com pedidos de parceria;
    - com propagandas (spam);
    - com link para divulgar seu blog;
    - com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;